Portugal próximo de mudar regras dada evolução da vacinação

Mariana Vieira da Silva, ministra da Presidência do Conselho de Ministros

Portugal aproxima-se do momento de mudar políticas em relação à pandemia, atendendo à percentagem de população vacinada contra a covid-19, disse esta quinta-feira a ministra Mariana Vieira da Silva, depois de questionada sobre a possibilidade de reabrirem as discotecas.

“O Governo sempre disse que o momento em que uma percentagem muito significativa da sua população tivesse duas doses de vacina seria um momento de mudança de políticas. Aproximamo-nos desse momento. É tempo também de ouvir os especialistas e depois de tomar as decisões”, afirmou a ministra da Presidência, na conferência de imprensa que se seguiu ao Conselho de Ministros, em Lisboa.

Mariana Vieira da Silva tinha sido questionada sobre a possibilidade de na próxima semana, após a reunião do Infarmed de 27 de julho, em Lisboa, que junta especialistas e políticos para analisar a evolução da pandemia, o Governo decidir a reabertura dos espaços de diversão noturna, que estão encerrados permanentemente desde março de 2020.

A ministra da Presidência do Conselho de Ministros realçou, porém, que as eventuais decisões do Governo só serão tomadas e anunciadas após essa reunião da próxima semana, não tendo sentido antecipá-las hoje.

Ainda em resposta à questão das discotecas, Mariana Vieira da Silva afirmou que aquilo que está em causa é o eventual alargamento da regra de apresentação do certificado de vacinação contra a Covid-19 para aceder a alguns espaços, permitindo assim o funcionamento de diversas atividades.

A pandemia de Covid-19 provocou pelo menos 4.128.543 mortos em todo o mundo, entre mais de 191,9 milhões de casos de infeção pelo novo coronavírus, segundo o balanço mais recente da agência France-Presse.

Em Portugal, desde o início da pandemia, em março de 2020, morreram 17.248 pessoas e foram registados 943.244 casos de infeção, segundo a Direção-Geral da Saúde.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em países como o Reino Unido, Índia, África do Sul, Brasil e Peru.