“Este reconhecimento prestigia Sintra, é reflexo da cooperação desenvolvida e da visão que temos do papel estruturante das Forças Armadas em Portugal”, disse Basílio Horta

Da sua ação resultou um contexto mais favorável ao cumprimento integral das missões que Portugal acomete às suas Forças Armadas”, afirmou João Gomes Cravinho numa cerimónia que decorreu esta sexta-feira, no Ministério da Defesa Nacional e que distinguiu 14 personalidades das mais diversas áreas, com a atribuição da Medalha da Defesa Nacional.

Aos parlamentares da comissão de Defesa, Marco António Costa (PSD), João Soares, Miranda Calha (PS), João Rebelo (CDS) e António Filipe (PCP), o ministro João Gomes Cravinho agradeceu o contributo para o “saudável diálogo interinstitucional”, entre o Governo e a Assembleia da República, que ajudou a aprovar a revisão da Lei de Programação Militar e Lei de Infraestruturas Militares.

João Cravinho agraciou Basílio Horta, presidente da Câmara Municipal de Sintra, pela estreita “cooperação desenvolvida” com a autarquia e mencionou as várias instituições militares existentes no concelho, como a Base Aérea n.º 1 de Sintra, a Academia da Força Aérea, o Museu de Ar, destacando o futuro centro multifuncional de treino de helicópteros em Sintra, num investimento de quatro milhões de euros e que funcionará a partir de 2021.

“Tudo isto tem exigido um constante diálogo e que só assim tem sido possível encontrar as soluções benéficas para todos. Estou certo que este continuará a ser o espirito para o futuro”, afirmou o ministro.

A Medalha da Defesa Nacional visa distinguir personalidades que “contribuíram significativamente para a eficiência, prestígio e cumprimento da missão do Ministério da Defesa Nacional”

“Foi uma honra para o município de Sintra, que partilho com as três unidades militares instaladas no concelho, receber esta tarde do ministro da Defesa, João Gomes Cravinho, a medalha de Grau 1 de Defesa Nacional”, reagiu Basílio Horta, presidente da Câmara de Sintra, na sua página pessoal de facebook, acrescentando que “este reconhecimento prestigia Sintra, é reflexo da cooperação desenvolvida e da visão que temos do papel estruturante das Forças Armadas em Portugal”.

Recorde-se, a Medalha da Defesa Nacional visa distinguir personalidades que “contribuíram significativamente para a eficiência, prestígio e cumprimento da missão do Ministério da Defesa Nacional”.

Outros homenageados

O ministro da Defesa distinguiu ainda o major-general Paulo Guerra pelo seu trabalho no comando da gestão centralizada de meios no combate aos incêndios rurais e o contra-almirante Dores Aresta pela participação nas operações durante a crise energética de agosto.

Pelo seu trabalho nas missões no estrangeiro, foram distinguidos o vice-almirante Silvestre Correia, como chefe da missão militar NATO e União Europeia, o major general Hermínio Maio, como comandante da missão de treino da União Europeia na República Centro-Africana, e o comandante Dias Martins, como responsável de planeamento da Polícia Marítima, que tem uma missão no Mediterrâneo, onde participou no resgate de mais de 6.000 pessoas.

Em território nacional, João Gomes Cravinho elogiou o coronel Vítor Borlinhas, pelos seus “esforços de valorização da profissionalização do serviço militar”, e o “trabalho incansável” da Major Diana Morais na “promoção do princípio da igualdade na Defesa Nacional” e questões de género.

Outra das personalidades distinguidas foi o médico Afonso de Albuquerque pelo seu trabalho no tratamento do stress pós-traumático de guerra.

Na cerimónia estiveram presentes o chefe do Estado-Maior-General das Forças Armadas, almirante Silva Ribeiro, e os chefes dos três ramos militares.

Sintra Notícias com Lusa