ANTRAM e Sindicato sem acordo sobre mediação

ANTRAM fala em "mais um número do sindicato", enquanto o SNMMP deixa claro que os motoristas continuam disponíveis para negociar.

Combustíveis | Foto: arquivo

A Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias (Antram) foi chamada pelo Governo para uma nova reunião esta terça-feira à noite, na qual esperava que fosse assinado um acordo de mediação com o sindicato dos motoristas de matérias perigosas. 

Porém, após a reunião entre patrões, empregados e Governo, o porta-voz da Antram, André Matias de Almeida, acusa o Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) de recusar o processo de mediação, apesar de os patões estarem disponíveis para debater “quase tudo”, acrescentando que Pedro Pardal Henriques terá de dar explicações ao País. “O sindicato quer impôr o resultado final” acusa o porta-voz da Antram. 

À saída da reunião no Ministério das Infraestruturas, Pedro Pardal Henriques, do sindicato dos motoristas de matérias perigosas, explicou em declarações à SIC Notícias, que a “única coisa” que foi pedida à ANTRAM foi que os trabalhadores sejam valorizados e recebem pelo trabalho que fazem, referindo-se ao pagamento das horas extraordinárias.

“A Antram não quis evitar estas novas formas de luta ou uma possível greve por 50 euros”, afirmou o representante do SNMMP, criticando a posição dos patrões, que se dizem disponíveis para negociar, mas que não aceitam “condições à partida”.

Segundo o sindicato, esta quarta-feira serão tornadas públicas novas formas de luta em resposta à falha de uma mediação.