Vacinação indevida contra a covid-19. Vereador da Câmara de Lisboa demite-se

O vereador da Proteção Civil na Câmara de Lisboa, Carlos Manuel Castro, renunciou esta terça-feira ao cargo, depois de ter sido vacinado contra a covid-19, quando foram administradas doses que sobraram dos lares.

Vereador da Proteção Civil de Lisboa | Foto: Reprodução/Facebook Carlos Manuel Castro

“O vereador Carlos Manuel Castro apresentou hoje o seu pedido de renúncia ao cargo, pedido que foi de imediato aceite pelo presidente da Câmara Municipal de Lisboa”, lê-se num comunicado divulgado hoje pela autarquia.

No dia 9 de fevereiro, a Câmara de Lisboa fez saber que, na sequência da vacinação em lares e residências para idosos, sobraram 126 vacinas, uma média de 18 por dia.

Dando cumprimento às determinações das autoridades de saúde, indicou a autarquia, foram ministradas 26 doses das vacinas a elementos das equipas envolvidas diretamente da operação de inoculação nos lares, designadamente 15 enfermeiros e oito elementos da Proteção Civil municipal presentes no local da vacinação, entre os quais o vereador com a pasta respetiva, e também três elementos da Higiene Urbana, entre os quais a sua diretora, envolvidos no processo de recolha das seringas utilizadas na vacinação.

As restantes 100 sobras “foram ministradas a profissionais dos grupos constantes na primeira fase de prioridade definida” pela Direção-Geral da Saúde.

Na rede social Facebook, Carlos Manuel Castro partilhou a carta que enviou ao presidente da Câmara lisboeta, Fernando Medina.

Fotografia: Reprodução/Facebook Carlos Manuel Castro