Ana Catarina Mendes, em Sintra | Foto: arquivo

O debate que decorreu hoje no parlamento sobre o pedido de autorização da declaração do estado de emergência, o PS, pela voz da líder parlamentar, Ana Catarina Mendes, afirmou que “não é de ânimo leve que na casa da democracia” se vota “a suspensão transitória e parcial do exercício de alguns direitos, liberdades e garantias” nos termos do decreto em análise.

“Os poderes ampliados do estado devem ser usados com ponderação e proporcionalidade. Confiamos que o Governo usará plenamente dessa ponderação e proporcionalidade”, disse.

O Parlamento aprovou esta quarta-feira a declaração de estado de emergência.

Com a abstenção do PCP, PEV, IL e Joacine Katar Moreira e o voto a favor de todos os outros partidos (PS, PSD, Bloco, CDS e PAN), foi aprovada a autorização para a declaração do estado de emergência.

Os deputados João Cotrim de Figueiredo (Iniciativa Liberal) e André Ventura (Chega) e a deputada não-inscrita Joacine Katar Moreira, anunciaram declarações de voto porque não puderam participar na discussão do debate.