Gripe “trava” serviço de urgência do Hospital Amadora-Sintra

O Serviço de Urgência do Hospital Amadora-Sintra está a desviar doentes para outros hospital, por falta de capacidade de atendimento de doentes que ali se deslocam.

Hospital Professor Doutor Fernando Fonseca (HFF), também conhecido por Hospital Amadora-Sintra | Foto: arquivo

O Hospital Amadora-Sintra deixou de receber no Serviço de Urgência os doentes transportados pelo INEM que estão a ser encaminhados para outros hospitais. A Região de Lisboa e Vale do Tejo já abriu 337 camas das 611 que fazem parte do plano de Inverno.

O Serviço de Urgência está demorado no atendimento de doentes. De acordo com o site do Ministério da Saúde, que disponibiliza os tempos de espera, os doentes com pulseira verde, estão com cerca de nove horas de espera, no Hospital Amadora-Sintra.

Já os doentes com pulseira amarela, podem ter de esperar sete horas, até serem atendidos.

“É para acabar com esta situação que decidi que a Câmara Municipal de Sintra, cumprindo as obrigações do Estado Central, tinha de investir 30 milhões de euros na construção do novo Hospital de Sintra“, desabafa Basílio Horta

“As ambulâncias estão a ser desviadas do Hospital Amadora/Sintra. Sete horas para atender doentes, com pulseira amarela, nas urgências”, questiona-se Basílio Horta, presidente da Câmara de Sintra, na sua página de facebook.

“É para acabar com esta situação que decidi que a Câmara Municipal de Sintra, cumprindo as obrigações do Estado Central, tinha de investir 30 milhões de euros na construção do novo Hospital de Sintra”, explica em jeito de desabafo o presidente da Câmara de Sintra, ao caos existente no Hospital Amadora /Sintra.

A urgência da unidade hospitalar recebeu perto 500 pessoas este sábado de manhã, obrigando-a a avisar os bombeiros e o INEM para desviarem as ambulâncias para os hospitais de Santa Maria e de São José, em Lisboa.

A situação obrigou o hospital a ativar o Plano de Contingências e com a chegada de um reforço de médicos, cerca de 18, espera-se que a situação esteja resolvida até ao final do dia.

Recorde-se, o pico da gripe pode chegar dentro de uma semana com entrada na fase de epidemia.

Ao jornal Público, a directora-geral da Saúde admitiu que a gripe pode entrar em período epidémico dentro de uma semana, mas disse que a situação actual é “de normalidade”. “O grande conselho que damos é que não vão directamente à urgência. A primeira porta de entrada no sistema de saúde, nesta altura, é o SNS 24, através do número 808242424”, salientou Graça Freitas.


[Notícia em atualização]