“Geringonça” e “Campeão” mantêm liderança da Palavra do Ano

    Os vocábulos ‘geringonça’ e ‘campeão’ mantêm a liderança da lista de candidatos à Palavra do Ano, votação que termina no dia 31 e que recebeu já “mais de 22.000 votos”, disse à Lusa, fonte editorial.

    Na lista de dez finalistas, não há alterações no pelotão da frente, “as palavras ‘geringonça’ e campeão’ lideram a eleição, com ‘brexit’ e ‘presidente’ por perto”, mas registam-se “duas pequenas alterações, ‘turismo’ ultrapassou ‘racismo’ e ‘humanista’ ultrapassou ‘empoderamento'”, adiantou fonte da Porto Editora, que organiza a iniciativa.

    À ‘presidente’ no 4.º posto segue-se ‘turismo’ e na segunda metade da lista estão por esta ordem, ‘racismo’, ‘humanista’, ‘empoderamento’, ‘parentalidade’ e, em último, ‘microcefalia’.

    “O número de votos continua a aumentar e já ultrapassamos os 22.000 votos, ou seja mais 2.000 do que o ano passado”, disse a mesma fonte.

    A votação em prossegue até ao final do mês, e a palavra vencedora será conhecida no dia 04 de janeiro próximo, às 10:30, numa cerimónia a realizar na Biblioteca Municipal José Saramago, em Loures, nos arredores de Lisboa.

    A escolha das dez palavras finalistas foi resultado “do trabalho permanente de observação e acompanhamento da realidade da língua portuguesa, levado a cabo pela Porto Editora, através da análise de frequência e distribuição de uso das palavras e do relevo que elas alcançam, tanto nos meios de comunicação e redes sociais, como no registo de consultas ‘online’ e ‘mobile’ dos dicionários da editora, tendo em consideração também as sugestões dos portugueses através do site”.

    A eleição da Palavra do Ano, na sua oitava edição, “já faz parte do calendário dos portugueses, tal a curiosidade que desperta e a participação crescente nas votações, na ordem das dezenas de milhares, apesar de se fazer exclusivamente online”, disse à Lusa fonte da editora.

    As palavras eleitas nas edições anteriores foram ‘esmiuçar’ (2009), ‘vuvuzela’ (2010), ‘austeridade’ (2011), ‘entroikado’ (2012), ‘bombeiro’ (2013), ‘corrupção’ (2014) e ‘refugiado’ (2015).