Imagem | Gago Coutinho e Sacadura Cabral

Marcelo Rebelo de Sousa defendeu hoje em Sintra, que academias e escolas “podiam ter feito mais” para assinalar o centenário da primeira travessia aérea do Atlântico sul e condecorou com a Grã-Cruz da Ordem de Camões Sacadura Cabral e Gago Coutinho.

“As academias podiam ter feito mais, as escolas podiam ter feito mais, as autarquias fizeram o que puderam, associando-se um pouco por todo o país. A sociedade civil podia estar mais atenta. É verdade que alguma comunicação social fez eco deste centenário mas não apreendeu a importância real do centenário. E o agradecimento à Força Aérea e à Armada é muito sentido”, afirmou o Presidente da República.

O chefe de Estado discursava na cerimónia de encerramento das comemorações do centenário da primeira travessia aérea do Atlântico sul, que decorreu na Base Aérea N.º1, no concelho de Sintra, e contou com a presença dos chefes militares dos três ramos, da ministra da Defesa, Helena Carreiras, e do presidente da Câmara Municipal de Sintra, Basílio Horta, entre outras entidades militares e civis.

Recorde-se, em 30 de março de 1922 teve início a primeira travessia aérea do Atlântico Sul, protagonizada por Sacadura Cabral, piloto, e Gago Coutinho, navegador, a bordo do hidroavião Fairey III, batizado “Lusitânia”, tendo como destino final o Rio de Janeiro, onde chegaram a 17 de junho desse ano.