Câmara de Sintra reconhece situação de “extrema gravidade” na saúde local

Filas para marcar consulta no novo Centro de Saúde de Algueirão-Mem Martins, em julho deste ano | Foto: João Paulo Gonçalves / facebook

O presidente da Câmara Municipal de Sintra, Basílio Horta, disse hoje que o estado da saúde no concelho é de “extrema gravidade”, pedindo melhores carreiras médicas e mais profissionais no hospital Amadora-Sintra e nos centros de saúde locais.

“A situação de saúde em Sintra é de extrema gravidade. Não é só no hospital, mas não deixa de ser particularmente grave o que se passa nos centros de saúde”, apontou Basílio Horta.

O autarca recordou os novos centros de saúde locais e a construção do novo Hospital de Sintra, financiado pela Câmara Municipal (com inauguração prevista para 2024), salientando que esses “grandes investimentos” ficarão “sem sentido” se continuarem a faltar médicos.

“A situação de saúde em Sintra é de extrema gravidade — Basílio Horta

Por essa razão, e para estudar medidas conjunturais e estruturais, Basílio Horta vai reunir com o ministro da Saúde, Manuel Pizarro, no dia 15 de dezembro.

“A câmara dirá ao senhor ministro da Saúde que está ao seu lado para participar e apoiar as medidas que sejam necessárias aplicar no momento”, disse o autarca de Sintra, acrescentando que a Câmara Municipal apoia o Governo, mas “para continuar o apoio”, não pode “admitir que direitos pessoais sejam postos em causa”.

Basílio Horta salientou a importância da melhoria das carreiras médicas porque, se “os médicos não têm condições de atração, não ficam [no serviço público]” e mudam para o setor privado. 

Hospital Fernando da Fonseca, também conhecido por Amadora-Sintra

Dada a “elevada afluência aos serviços de urgência” registada no hospital Fernando Fonseca (Amadora-Sintra), a administração da unidade lembrou, num comunicado enviado à Lusa na segunda-feira, que estão a ser alargados os horários de atendimento complementar nos cuidados de saúde primários dos concelhos de Amadora e de Sintra.

A administração do Hospital Fernando Fonseca recomendou ainda que, em caso de doença súbita, seja contactada primeiro “a equipa de família no Centro de Saúde/Unidade de Saúde Familiar (cuidados de saúde primários)” ou a linha SNS24, através do 808 24 24 24, devendo ficar reservado o atendimento no hospital a “situações agudas, graves urgentes e emergentes”.

“Os centros de saúde já não são capazes de manter as necessidades habituais” — Basílio Horta

Apesar de o hospital estar “super saturado”, Basílio Horta lembrou que “os centros de saúde já não são capazes de manter as necessidades habituais”, apontando a dificuldade em marcar consultas e a “grande pressão” existente nas unidades locais, como em São João das Lampas, Agualva e Algueirão-Mem Martins. 

Na última semana, o Hospital Fernando Fonseca registou uma média diária de 738 episódios de urgência, com 56% das situações consideradas pouco urgentes ou não urgentes nos serviços pediátrico e geral, indicou a administração desta unidade no dia 5 de dezembro.

Em dia 29 de novembro, chefes e subchefes das equipas do Serviço de Urgência do hospital apresentaram a demissão, por considerarem estar em causa a qualidade assistencial e a segurança dos utentes.

A administração hospitalar manifestou disponibilidade para implementar medidas adicionais ao Plano de Contingência de Inverno e salientou o aumento do espaço físico alocado ao Serviço de Urgência, “com reflexo na melhoria das condições de segurança e conforto para os utentes e profissionais, bem como a contratação de 83 camas no exterior”.