Carris Metropolitana

O início da operação da Carris Metropolitana nos concelhos da  ‘área 1’, que corresponde aos concelhos de Amadora, Cascais, Lisboa, Oeiras e Sintra, e na ‘área 2’respeitante aos municípios de Loures, Mafra, Odivelas e Vila Franca de Xira, que estava prevista ter início no dia 01 de julho, na próxima semana, foi adiada para 1 de janeiro de 2023.

Segundo a entidade gestora, ao SINTRA NOTÍCIAS, foi adiada por não estarem “garantidas as condições consideradas essenciais”, esclarece a entidade gestora.

“A falta de um número bastante significativo de viaturas novas, a inexatidão nas datas da sua disponibilidade e a adequação dos sistemas de informação necessários à prestação do serviço de acordo com os requisitos do caderno de encargos e dos contratos firmados para as áreas 1 e 2, são, entre algumas outras, as razões principais identificadas para que se considere que o serviço não está em condições de ser colocado em prática”, justifica a Transportes Metropolitanos de Lisboa (TML), em comunicado.

Na Área 1, que corresponde aos concelhos de Amadora, Cascais, Lisboa, Oeiras e Sintra, e na Área 2, que corresponde aos concelhos de Loures, Mafra, Odivelas e Vila Franca de Xira, a entrada em funcionamento é adiada para dia 1 de janeiro de 2023, uma vez que não estão garantidas as condições consideradas essenciais

No próximo dia 1 de julho, o serviço da Carris Metropolitana inicia-se somente na “Área 3”, que corresponde aos concelhos de Almada, Seixal e Sesimbra, com mais frequências, horários, linhas novas e uma frota de autocarros renovada.

Também no dia 1 de julho aumenta o serviço rodoviário da Área 4, que corresponde aos concelhos de Alcochete, Barreiro, Moita, Montijo, Palmela e Setúbal, uma vez que o nível de serviço que se encontra a ser prestado ainda é inferior ao definido contratualmente na Carris Metropolitana, apesar de, para além de uma frota de autocarros totalmente nova, os horários, frequências e linhas hoje em funcionamento já ser superior ao que era praticado (antes de 1 de junho), registando-se níveis de procura acima do anteriormente verificado, em alguns eixos intermunicipais.