“Podemos avançar na próxima semana com cautela”

Primeiro-Ministro, António Costa | Foto: arquivo

Um dia depois de ter ouvido os especialistas, o Conselho de Ministros aprovou esta quinta-feira novas medidas para conter a pandemia e confirmou o regresso às aulas a partir de segunda-feira, dia 10 de janeiro.

“Estamos em condições de confirmar que as escolas podem retomar a normalidade do seu funcionamento na próxima segunda-feira, como estava previsto”, disse António Costa no final do Conselho de Ministros de atualização das medidas contra a pandemia de covid-19.

O chefe do Governo deu conta da nova norma da Direção-Geral da Saúde em que os alunos estão dispensados de isolamento quando existir um caso positivo na mesma turma.

“Podemos avançar na próxima semana com cautela”, sublinhou o primeiro-Ministro, destacando o processo de vacinação “neste momento com o esquema primário de vacinação 89% da população e com a dose de reforço mais de três milhões de portugueses”.

António Costa referiu que 89 por cento da população já tem completo o esquema primário de vacinação e para os grupos etários acima dos 65 anos, há “uma cobertura de dose de reforço de 83%”.

A média diária de administração de vacinas situa-se em “84 mil doses” por dia, referiu.

O primeiro-ministro apontou ainda a “subida muito significativa da testagem” verificada desde o início de dezembro, mês em que se realizaram “cinco milhões de testes”, com um recorde de mais de 402 mil testes no dia 30 de dezembro.

A realização “de forma massiva” de testes tem sido “um instrumento fundamental para a deteção precoce de situações de infeção e conter o ritmo de transmissibilidade da doença”.

António Costa vincou que no ”conjunto de medidas adotadas tivemos uma subida significativa da testagem, que foi em janeiro cinco vezes do que em janeiro do ano passado, cinco milhões de testes em dezembro”.

[atualizada]

As regras que vão vigorar a partir de dia 10

Isolamento só de positivos e coabitantes
– Pessoas com dose de reforço isentas de isolamento

Medidas gerais:
Isenção de testagem para quem tenha dose de reforço há mais de 14 dias

Recomeço das aulas a 10 de janeiro:
Isolamento de turmas (está rasurado, portanto suponho que significa que termina)
Testagem nas próximas 2 semanas
Vacinação de crianças 5-11 anos (dias 6 a 9/01)
Vacinação do pessoal docente e não docente, mediante senhas digitais (dias 6 a 9/01)

Trabalho:
Teletrabalho obrigatório até 14/01
Teletrabalho recomendado a partir dessa data

Estabelecimentos comerciais:
Lotação de 1 pessoa/5m2

Bares e discotecas:
Reabertura no dia 14/01
Exigência de teste para acesso
Proibição de consumo de bebidas alcoólicas na via pública

Fronteiras:
Manutenção do controlo nas fronteiras:
Teste negativo obrigatório para todos os voos que cheguem a Portugal
Sanções para as companhias de aviação

Certificado Digital Obrigatório para acesso a:
Restaurantes
Estabelecimentos turísticos e alojamento local
Espetáculos culturais
Eventos com lugares marcados
Ginásios

Teste negativo obrigatório para acesso a:
Visitas a lares
Visitas a pacientes internados em estabelecimentos de saúde
Grandes eventos e eventos sem lugares marcados ou em recintos improvisados
Recintos desportivos (salvo decisão da DGS)

DIRETO | Conferência de imprensa:

Recorde-se, condições sanitárias para o recomeço das aulas a partir de segunda-feira, a Diretora-geral da Saúde esclareceu que as crianças que tenham um contacto com um caso positivo de covid-19 na escola não ficam em isolamento.Graça Freitas disse que só são considerados contactos de alto risco as crianças que vivam na mesma casa que alguém com covid-19, pelo que ficam isoladas, já que não têm reforço da vacina.

Sobre as eleições legislativas agendadas para 30 de janeiro, o Presidente da República transmitiu aos jornalistas, no final da reunião do Infarmed, que o primeiro-ministro tinha anunciado durante a sessão um pedido de parecer feito pela ministra da Administração Interna, Francisca Van Dunem, ao Conselho Consultivo da PGR sobre se o isolamento impede o exercício do direito de voto ou se é possível exercer esse direito, em condições de segurança, suspendendo o isolamento para esse efeito.