Basílio Horta desvaloriza perda de maioria absoluta na Câmara de Sintra

"Sintra votou e o PS ganhou. Obrigado" -- Basílio Horta

Basílio Horta (PS), foi reeleito para um novo mandato enquanto presidente da Câmara Municipal de Sintra e desvalorizou o facto de ter perdido a maioria absoluta, sublinhando que irá encontrar o “apoio suficiente para ter uma gestão estável”.

“Quantas câmaras no país há com maioria absoluta? Parece que é obrigatório ter a maioria absoluta. Na primeira vez que fui eleito não tive maioria absoluta e tive estabilidade. A gente há-de encontrar o apoio suficiente para ter uma gestão estável”, afirmou o autarca à agência Lusa.

Recorde-se, de acordo com os dados do Ministério da Administração Interna, Basílio Horta (PS) foi reeleito presidente da Câmara Municipal de Sintra com 35,29% dos votos (5 mandatos), seguindo-se a coligação “Vamos Curar Sintra” (PSD/CDS-PP/A/MPT/PDR/PPM/RIR), com 27,52% (4 mandatos), CHEGA com 9,08% (1 mandato), CDU com 9,02% (1 mandato), BE (5,821%); Nós, Cidadãos! (2,95%) e IL ( 2,67%).

“Os únicos partidos que subiram foi o Chega, a IL e o PAN. Todos os partidos desceram. Agora, o que é importante é que houve quem ganhasse”, argumentou.

Basílio Horta justificou a perda de maioria absoluta com o aumento da taxa de abstenção: “Perdi um vereador com 60% de abstenção. É o concelho do país com maior abstenção. Isso preocupa-me e entristece-me”, apontou.

Questionado sobre o crescimento do Chega e a conquista de um vereador, Nuno Afonso, o autarca ressalvou que se trata de um partido que “vive na democracia”, mas admitiu que será necessária uma “reflexão”.

“O Chega é um partido que vive na democracia e, portanto, é normal e natural. Quando muito o importante é nós fazermos uma reflexão sobre os motivos que levam o Chega a subir”, atestou.