ajudar a reerguer a restauração ao mesmo tempo que ajudamos a combater a fome em Portugal”,

“Sopa para Todos” é um movimento nacional que tem como propósito, “contagiar mais pessoas a ajudar a reerguer a restauração”, ao mesmo tempo que “ajuda a combater a fome das famílias mais necessitadas”.

Para ajudar, basta deixar uma sopa (ou uma refeição) paga num dos vários estabelecimentos aderentes, que irá reverter para quem precise e não tenha possibilidades.

Na semana de 15 a 21 de fevereiro, o concelho sintrense foi o “campeão” com 641 sopas pagas (apenas duas sopas não foram levantadas). Outra forma de ajudar pode passar por doar bens alimentares aos restaurantes aderentes, para a confeção das sopas, bem como o envio de donativos livres.

No concelho de Sintra, de acordo com com o jornal Correio de Sintra, já há restaurantes que aderiram à iniciativa.

Ao Monte (Queluz), EmCanto da Sofia (Massamá),
Prata da Casa Queluz (Queluz),
Restaurante R&M (Rinchoa),
Sol da Adraga (Almoçageme),
Estoril Pastelarias (Massamá),
O Brilha Frango (Agualva-Cacém),
O Tijolo (Agualva-Cacém),
O Tonel (Mercês),
Águia D’Ouro (Agualva-Cacém),
Rosa e Machadinho (Agualva-Cacém)
A Taverna (Mem Martins).

O movimento “Sopa para Todos” nasceu de uma ideia de Ana Baião que após assistir “a uma situação à qual não podia ficar indiferente”, decidiu arregaçar as mangas e criou o grupo no Facebook, refere a responsável ao jornal Correio de Sintra.

“A ideia é ser um conceito presente por todo o país, sendo os estabelecimentos aderentes adicionados gradualmente pela equipa técnica e administrativa no mapa após a receção do e-mail de registo de estabelecimento com essa solicitação”, explica Ana Baião.

(…) “Ajudar a reerguer a restauração ao mesmo tempo que ajudamos a combater a fome em Portugal” Ana Baião

O movimento “Sopa para todos” é formado por oito voluntários que, entre projetos e família, dão um pouco do seu tempo. “Somos pessoas comuns, nenhum de nós é proprietário de um estabelecimento da restauração, aliás temos todos valências e áreas de trabalho distintas, mas todos temos um foco comum: ajudar a reerguer a restauração ao mesmo tempo que ajudamos a combater a fome em Portugal”, refere Ana Baião, Correio de Sintra.

A Ana Baião, juntaram-se outros voluntários, Andreia Antunes, Helena Vilarinho, Rute Lemos, Marta Santos, Ricardo Rodrigues, Susana da Palma e Bárbara Nobre. O grande objetivo é fazer chegar a comida a quem efetivamente precisa.

Para serem aderentes, e figurarem no mapa do movimento “Sopa para Todos”, os estabelecimentos devem enviar um email para geral@sopaparatodos.pt, com os seguintes dados: nome, localização / coordenadas, contacto(s) e link do Facebook e/ou Instagram.

A situação de pandemia Covid-19 veio potenciar situações dramáticas em muitas famílias e por outro lado, deixou em situação vulnerável outras tantas que de um momento para o outro, se viram sem trabalho e rendimentos.