A atriz e encenadora Maria João Fontaínhas, faleceu a 18 de novembro de 2006, tinha 34 anos

Ojúri analisou um total de 20 obras, elegendo por unanimidade, a obra inédita de Rui Pedro Soares de Almeida (pseudónimo Eu Por Um Fio). O júri, constituído por Dr. João Cachado, Dr. João Rodil, e Dr.ª Catarina Serpa, considera que o autor apresenta uma “escrita poética típica do teatro” e que esta obra constitui um “trabalho digno do prémio que representa, prestigiando a atriz Maria João Fontainhas”.

O Prémio Nacional das Artes de Espetáculo Maria João Fontainhas, promovido pela autarquia, foi instituído para divulgar as artes do espetáculo em Portugal e contribuir para a renovação e o aparecimento de novos criadores. O galardão, bienal, destina-se a projetos inéditos de teatro, dança, marionetas, música ou transdisciplinares.

Com este prémio, a autarquia homenageia assim a atriz Maria João Fontaínhas que desenvolveu uma atividade digna de registo pela sua dedicação ao teatro, tendo iniciado o seu percurso ainda no liceu e depois com atividade regular e contínua, em prol do teatro do concelho de Sintra.

A atriz e encenadora Maria João Fontaínhas fundou a Companhia de Teatro de Sintra, trabalhou com conhecidos encenadores portugueses, entre eles Joaquim Benite e João Mota, e interpretou dramaturgias de diversos autores, de Gil Vicente a Dario Fo.

Ao vencedor é atribuído o valor monetário de cinco mil euros para divulgação e montagem da peça de teatro que deverá ser colocada em cena, no prazo de dois anos, pela Companhia de Teatro Chão de Oliva.