Ganhámos a primeira batalha e só ganharemos abril se não facilitarmos

Depois de ter classificado a atual pandemia como "o maior desafio dos últimos 45 anos" para os portugueses, o Presidente da República enumerou objetivos fundamentais para esta segunda fase da contenção da doença.

Marcelo Rebelo de Sousa, Presidente da República | Foto: arquivo

O Presidente da República considerou hoje que Portugal ganhou “a primeira batalha” contra a covid-19 e entrou agora numa segunda fase na qual advertiu que abril é um mês crucial em que não se pode facilitar.

“Só ganharemos abril se não facilitarmos, se não condescendermos, se não baixarmos a guarda. Outras experiências mostraram que situações do grupo de risco e visitas à terra e à família custaram explosões entre os 30 e os 50 dias de epidemia”, afirmou Marcelo Rebelo de Sousa, numa comunicação ao país, a partir do Palácio de Belém, em Lisboa.

No início desta declaração, o chefe de Estado anunciou que acabar de decretar a renovação do estado de emergência em Portugal por novo período de 15 dias, até 17 de abril, o que abrange o período da Páscoa, relativamente ao qual deixou um pedido aos portugueses.

“Nesta Páscoa não troquemos uns anos na vida e na saúde de todos por uns dias de férias ou reencontro familiar alargado de alguns”, apelou.

Marcelo Rebelo de Sousa admite que “tem sido um momento radical” na vida dos portugueses e pede solidariedade no período da Páscoa. “Por muitas razões para que haja para ansiedade, nesta Páscoa não troquemos uns anos por uns dias em familia”, alertou. 

Assim, o chefe de Estado pede aos compatriotas que “entendam as restrições severas que adotaremos para Páscoa”.

O Presidente da República anunciou que “proteger os grupos de maior risco” é uma das prioridades do caderno de encargos para “ganhar a segunda fase”, acrescentano que é preciso “utilizar com bom senso e rigoroso critério de abertura do caso do estado de emergência nos sistemas prisionais”. 

Por fim, Marcelo reiterou que haverá uma reavaliação do encerramento das escolas na próxima semana.

O Presidente da República decretou hoje a renovação do estado de emergência em Portugal, por novo período de 15 dias, até 17 de abril, para permitir medidas de contenção da covid-19.

O estado de emergência vigora em Portugal desde o dia 19 de março e, de acordo com a Constituição, não pode ter duração superior a 15 dias, sem prejuízo de eventuais renovações com o mesmo limite temporal.

Sintra Notícias com Lusa