Atrasos nas mesas de voto da letra “M” em Monte Abraão e Agualva

Muitas criticas e desabafos nas redes sociais, que lamentam o tempo de espera para exercer o seu direito ao voto, na mesa da letra "M" de Maria ou de Manuel.

Votar

A mudança de procedimentos que passou pela substituição do número de eleitor pelo nome, provocou filas demoradas de eleitoras para votar, em Massamá, Queluz e Agualva. Muitas criticas e desabafos nas redes sociais, que lamentam o tempo de espera para exercer o seu direito de voto, na mesa da letra “M” de Maria ou de Manuel.

Queixas e desabafos, alguns acompanhados por imagens de indignação “admirem-se se a abstenção subir”, sobretudo para quem votou na Escola Ferreira Dias, em Agualva e na Escola Miguel Torga em Monte Abraão. “Só nāo reclama quem nāo foi à mesa 29… (ou letra M) como quiserem. O resto correu tudo muito bem”, acrescenta Mariana Massano.

Fila longa e demorada para votar na Escola Ferreira Dias, em Agualva | Foto: Lurdes Damião no facebook

“Colocaram as mesas de voto por ordem alfabética, será que não lhes passou pela cabeça que neste país existem milhares de Marias e Manueis? A mesa onde me colocaram tinha uma fila de mais de 150 Pessoas, iria lá ficar o resto do dia de domingo… Ou será que fizeram isto, para que as Pessoas desistam e não votem?”, desabafa Paula Inácio, na Escola Ferreira Dias, em Agualva.

“Estou revoltada, tudo desorganizado, muita gente a desistir de votar, votei na Escola Ferreira Dias na Agualva, uma vergonha”, escreve Maria de Lurdes Afonso, que lamenta também o tempo de espera. Ainda assim, não desistiu e votou, “mesmo com compromissos pessoais”.

Margarida Pena, lamenta a “confusão e desorganização nas filas para votar na Escola Ferreira Dias”, considerando que os atrasos “estão a contribuir em grande, para a abstenção”. “É uma vergonha para quem vai votar no Monte Abraão. Escola Miguel Torga tem filas de uma hora para a sala 29”, questiona-se Maria Madalena Serrão, acrescentando que “ter que estar 1 hora na fila não dá vontade de votar”.

“Aqui na Padre Alberto Neto de Queluz foi igual. Ainda por cima tenho a infelicidade de me chamar Maria”, desabafa também, Dulce Cunha nas redes sociais.

“Deviam ter visto quantos eleitores tinham as mesas 28 e 29 que são todas as Marias e ter feito mais uma mesa. Estranho como não conseguem contabilizar algo tão simples”, questiona-se São Dantas.

[em atualização]