Violência entre ‘gang’s’ na estação da CP de Queluz-Belas preocupa moradores

Estação da CP de Queluz-Belas | Foto. arquivo

Madrugada de domingo desperta com casos de violência entre gang’s, lançou algum pânico e acordou moradores junto à estação da CP de Queluz-Belas.

Os casos não são de agora, mas desta vez ultrapassou os limites do habitual. De acordo com testemunhos de alguns dos moradores que pediram anonimato e que presenciaram o sucedido das varandas e janelas das suas habitações, “os confrontos entre gang’s começaram com a chegada dos primeiros comboios da manhã à estação da CP de Queluz-Belas” pelas 06h30, registando-se casos de violência que “tomou grandes proporções, com agressões físicas, arremesso de pedras e garrafas e ameaça de armas brancas”.

Segundo o relato das testemunhas, ao SINTRA NOTÍCIAS, “a zona da estação e os locais circundantes, viraram um campo de batalha, com os táxis da zona a fugirem da paragem” na procura de segurança, bem como pessoas que por ali passavam àquela hora que se “refugiaram onde e como puderam”, muitas delas, entrando pelos prédios.

A PSP que demorou a chegar ao local, deparou-se com a estação da CP, “cheia de pedras, garrafas partidas e marcas bem visíveis dos confrontos”, refere uma das moradoras.

Para João Salgado, residente na zona “estas situações já são habituais ao fim de semana. Quando começam a chegar os primeiros comboios da manhã, há sempre porrada da grossa. Se não for na estação, é na Avenida Miguel Bombarda, ou na Avenida António Enes. Toda a gente sabe o que se passa”, disse o morador, que chama a atenção das autoridades para a resolução destes confrontos.

“Há cafés e estabelecimentos aqui na zona que antigamente abriam às 06h30 ou 07h00 e que agora só abrem pelas 09h00, porque antes eram eles as vítimas”, refere João Salgado, que apela às autoridades, à Câmara de Sintra e à Junta de Freguesia “um olhar para o que está a acontecer em Queluz. As coisas não podem continuar como estão. Há insegurança por todo o lado”, rematou João Salgado.