Pedófilo fugido de Cascais foi capturado em Badajoz

“O fugitivo, contra o qual pendia uma Ordem Europeia de Detenção, foi descoberto e detido quando procurava obter carta de condução espanhola", conta o site "Cascais24"

Fugido das autoridades durante 17 anos, José Soares foi capturado a semana passada, em Espanha | Imagem: Site de Notícias, "Cascais24"

Um homem de nome, José Soares que abusou de uma menina ao longo de pelo menos, um ano, esteve fugido das autoridades durante 17 anos e foi capturado no mês de março, em Espanha.

“O fugitivo, contra o qual pendia uma Ordem Europeia de Detenção, foi descoberto e detido quando procurava obter carta de condução espanhola, exibindo documentos portugueses falsos”, conta o jornalista Valdemar Pinheiro, do site “Cascais 24“.

José Soares, de 79 anos, é um antigo colaborador da Fundação Luso-Americana e ex-docente da Escola Superior de Comunicação Social. A aproximação à criança foi facilitada por relações profissionais e pessoais que mantinha com os pais da menina, refere o “Cascais 24”.

O caso começou a ser investigado em 1998 pela Polícia Judiciária (PJ) que “confiscou fotos e vídeos comprometedores na sua moradia do Monte Estoril” explica o “Cascais24”, adiantando que durante a fase de julgamento, José Soares contou com Rui Machete e com o padre Vítor Melícias como testemunhas abonatórias.

Na ocasião, conta o “Cascais24”, o Tribunal de Cascais deu como provado o crime de abuso sexual e condenou-o a uma pena de três anos e oito meses de prisão. Mas, o advogado de defesa recorreu do acórdão para o Supremo Tribunal de Justiça, o que lhe permitiu manter-se em liberdade, acabando por fugir do Monte Estoril, onde morava, para Espanha, onde viveu, sob identidade falsa ao longo de 15 anos.

Foi agora detido, quando procurava obter a carta de condução espanhola, “exibindo documentos portugueses falsos”. Através de reconhecimento facial e das impressões digitais, “constatou-se que o homem estava em fuga desde 2002”.

Em Espanha irá responder por falsificação de documentos, sendo também avaliada a extradição para Portugal para cumprir a pena pendente.

  • Notícia completa no site, “Cascais24
  • Fotografia: DR “Cascais24”