Hospital Fernando da Fonseca (Amadora-Sintra)

Os chefes de equipa de ginecologia e obstetrícia do hospital Amadora-Sintra avançam para a demissão em bloco até ao fim do dia, se o Governo e o Conselho de Administração não derem resposta ao problema da falta de pessoal, avança a TSF.

Depois de terem ameaçado com a demissão no início do mês, devido à falta de condições de assistência na urgência, os clínicos tinham dado um prazo ao Governo e ao Conselho de Administração para a contratação de pessoal.

Esse prazo termina esta terça-feira, mas o secretário-geral do Sindicato, Jorge Roque da Cunha, garante que nada foi feito e que a demissão é para avançar.

Contactado pela TSF, o Conselho de Administração do hospital Amadora Sintra diz que está à aguardar o resultado de um concurso para médicos tarefeiros para os blocos de parto e apela aos clínicos para que não avancem com a demissão.

O Sindicato Independente dos Médicos responde que os profissionais que vão ser contratados pertencem a empresas prestadoras de serviços e que o problema da falta de pessoal continua.

O Sindicato Independente dos Médicos garante que os chefes de equipa de ginecologia e obstetrícia do hospital Amadora-Sintra vão por isso demitir-se em bloco até ao final da tarde e remetem responsabilidades para o Governo e para o Conselho de Administração.