Vereador Clemente Alves da CDU Cascais detido

Autarca foi levado para a esquadra de Cascais

Clemente Alves, candidato da CDU à Presidência da Câmara de Cascais

O vereador Clemente Alves, e candidato à Câmara de Cascais pela CDU, foi detido esta terça-feira, quando participava numa manifestação, contra uma obra em S.João do Estoril.

Clemente Alves foi detido pela PSP, porque terá reagido mal à ordem das autoridades para abandonar o local. O incidente aconteceu por volta das 11h30.

O vereador deslocou-se a uma obra na Quinta da Carreira e colocou-se em frente a máquinas utilizadas na construção, com intenção de travar os trabalhos.

Polícia Municipal estava no local e chamou a PSP ao local, que acabou por deter o vereador da Câmara de Cascais, após resistência.

A PSP diz que Clemente Alves não obedeceu às ordens, resistiu e mal tratou um polícia e por isso foi detido. Mas o vereador da autarquia de Cascais nega esta versão e diz que se sentiu o alvo preferencial da polícia e garante que não resistiu às ordens das autoridades.

Em declarações à TSF, Clemente Alves admite que a manifestação não tinha autorização e acrescenta que vai apresentar queixa contra o presidente da câmara e da empresa municipal e provavelmente contra o polícia.

O vereador da CDU vai ser ouvido esta tarde no Tribunal de Cascais, estando ainda por decidir se Clemente Alves será julgado em processo sumário, ou se será aberto um inquérito.

Reações

Na sequência da manifestação realizada hoje de manhã junto às obras, a PSP deteve o vereador Clemente Alves (CDU).

Em comunicado, o PCP acusa os responsáveis da empresa municipal Cascais Próxima de chamar a polícia que teve, segundo os comunistas, “uma intervenção intempestiva e desadequada por parte de alguns agentes”, que culminou na detenção do autarca “sem o informarem do motivo pelo qual estava a ser detido”.

A Coligação Viva Cascais (PSD/CDS-PP), em comunicado, também “repudia veementemente o golpe de propaganda protagonizado pelo candidato da CDU” à Câmara de Cascais, Clemente Alves, criticando que “as atitudes do candidato e vereador revelam um abaixamento democrático intolerável” no concelho de Cascais.

A detenção do vereador prova “que é possível descer sempre mais fundo” e a coligação que gere o município apelou a “um dos partidos estruturantes da democracia portuguesa, para que reveja o apoio a um candidato que tem manchado o nome do PCP no concelho”.

O PS de Cascais, por seu lado, “manifesta solidariedade” para com Clemente Alves, em comunicado assinado pela candidata socialista à autarquia, Gabriela Canavilhas.

“O PS considera este acontecimento um abuso intolerável, quer por parte da PSP, quer por parte do município de Cascais e exige a suspensão da obra até que todos os esclarecimentos sejam feitos aos munícipes sobre o seu propósito e a sua fundamentação no quadro do PDM municipal”, refere a nota.

[notícia atualizada 21h26]