Mais de 24 mil jovens em cursos em centros de formação e empresas

Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP)

Mais de 24 mil jovens frequentam cursos de aprendizagem dual, nos centros de formação e nas empresas, um modelo de ensino que tem uma taxa de empregabilidade superior a 30%, disse hoje à agência Lusa fonte do IEFP.

O vice-presidente do Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP), Paulo Feliciano, disse à Lusa que até ao final de setembro estavam 24.133 formandos nos “cursos de aprendizagem”, número que deverá crescer ainda até ao final do ano.

Em 2015 os cursos de formação dual foram frequentados por 37.556 jovens e em 2014 por 34.868, mas, segundo Paulo Feliciano, “foram dois anos atípicos em que o sistema registou um grande crescimento”.

No ano passado, 13.754 jovens terminaram a sua formação dual, que dura 3 anos, enquanto que em 2013 se formaram 11.416 jovens.

Segundo Paulo Feliciano, a taxa de empregabilidade a seis meses foi de 30,2% em 2015 e de 27,1% em 2014.

A taxa de empregabilidade a 12 meses destes jovens foi de 35,3% em 2014.

“Este modelo de aprendizagem existe há 30 anos, mas estamos a tentar valorizá-lo mais porque se trata de uma modalidade com muito potencial para integrar os jovens no mercado de trabalho”, disse Paulo Feliciano.

Os cursos de aprendizagem são cursos de formação profissional inicial, desenvolvidos em regime de alternância, entre o centro de formação profissional (60%) e a empresa (40%).

São dirigidos a jovens com idade inferior a 25 anos, que não tenham concluído o ensino secundário, mas tenham o 9º ano de escolaridade.

Estes cursos possibilitam a obtenção de uma certificação escolar e profissional, que privilegia a inserção no mercado de trabalho, mas permite igualmente prosseguir os estudos a nível superior.

O IEFP promoveu hoje um seminário em Ovar sobre a valorização do sistema de aprendizagem dual, durante o qual entregou certificados de excelência a 10 empresas que recebem formandos, entre as quais a Toyota, a Autoeuropa, a Delta e o grupo Tivoli.

“Queremos valorizar mais a aprendizagem dual, puxando mais pela ligação às empresas e pela qualidade da formação. Para isso é fundamental que os tutores tenham competências pedagógicas”, afirmou Paulo Feliciano.

O IEFP vai iniciar em breve três novas ações de formação para tutores dos “cursos de aprendizagem”, que são as pessoas que nas empresas acompanham os jovens formandos.