Papa apela à originalidade na preparação da Jornada Mundial da Juventude em Lisboa

    O Papa Francisco exortou hoje todos os que estão a preparar a Jornada Mundial da Juventude (JMJLisboa2023) agendada para Lisboa em agosto de 2023, a que criem um encontro “original”.

    Numa mensagem vídeo esta segunda-feira divulgada, o pontífice afirma que está “a olhar para agosto de 2023! A um ano e alguns meses…”

    “Estou a olhar para Portugal, estou a olhar para Lisboa, estou a olhar para Fátima, estou a olhar para o encontro de todos vocês… E vocês, em Portugal e nos vários países, estão a trabalhar como voluntários e a olhar no mesmo sentido”, diz o Papa, acrescentando: “Não é fácil! Não é fácil porque andamos de crise em crise”.

    “Saímos de uma crise pandémica, entramos numa crise económica e agora estamos na crise da guerra, que é um dos piores males que pode acontecer! No meio de todas estas crises, vocês têm de preparar e ajudar para que o evento de agosto de 2023 seja um evento jovem, um evento fresco, um evento com vida, um evento com força, um evento criativo”, apela Francisco.

    O Papa desafia a que, na organização da JMJLisboa2023, não se viva “dos rendimentos, do que se fez nos outros encontros”.

    “Vocês têm de criar o encontro. Se vocês não forem criativos, se vocês não forem poetas, este encontro não vai resultar, não vai ser original, vai ser uma fotocópia de outros encontros”, sublinha o Papa, acrescentando que “o encontro tem de ser original, com o contributo de todos”.

    O líder da Igreja Católica, que é esperado em Portugal para o encerramento da JMJLisboa2023, agendada para o período de 01 a 06 de agosto, é perentório ao defender que “as crises se superam juntos, não sós”.

    A mensagem termina com um apelo à oração. “Rezo para que este encontro seja um encontro fecundo. Que cada um de nós saia melhor do que chegou. Peço-lhes, por favor, que rezem por mim, porque eu também preciso que me sustentem com a oração”, diz o Papa, antes de lançar um “Até agosto!!” de 2023.

    Os símbolos – a Cruz peregrina e o ícone de Nossa Senhora Salus Populi Romani — estarão em cada diocese nacional cerca de um mês e a última a recebê-los será Lisboa, que em agosto de 2023 vai acolher mais de um milhão de jovens para a JMJLisboa2023, que será encerrada pelo Papa.