Governo diz que não há racionamento de testes à Covid-19 – “há racionalização”

CORONAVÍRUS | Portugal encomendou 280 mil testes de despiste da Covid-19, confirmou o secretário de Estado da saúde, garantindo que não há racionamento. As novas regras entram em vigor esta sexta-feira.

António Sales, secretário de Estado da Saúde | Foto: Lusa

Durante a conferência de imprensa desta terça-feira, 24 de março, para a habitual atualização de informação relativa ao número de infetados por Covid-19 em Portugal, o Secretário de Estado da Saúde, António Lacerda Sales, frisou que “não há racionamento de testes”.

António Lacerda Sales afirmou que estão a fazer os testes de uma forma séria e responsável e racional, mas se os casos começarem a aumentar terão de avançar para testagem com “maior número e de acordo com a estratificação de grupos de risco”, garantindo que “não há racionamento nos testes, há racionalização dos testes”.

O secretário de Estado da Saúde, António Lacerda Sales, chamou ainda a atenção para a publicação na segunda-feira uma norma que altera o paradigma de abordagem ao doente com coronavírus.

Trata-se da preparação do Sistema Nacional de Saúde (SNS) para uma nova fase de mitigação da pandemia por Covid-19 e que produzirá efeitos desde a meia-noite do dia 26 de março.

“A norma implicará a aquisição de, pelo menos, uma área dedicada ao Covid-19 a cada agrupamento dos centros de saúde”, anunciou António Lacerda Sales.

Apesar disto, o secretário de Estado da Saúde alerta que as pessoas com sintomas de coronavírus devem, preferencialmente, fazer um contacto prévio com a linha SNS24.