Funeral de Rui Rechena realiza-se na Igreja de Mira-Sintra

ÓBITO | O velório de Rui Rechena, que morreu na quarta-feira, aos 53 anos, irá decorrer hoje, a partir das 18h00, na Igreja de Mira Sintra, no concelho de Sintra

Morreu, Rui Rechena, baixista dos "Amor Electro" | Foto: facebook

O funeral do músico Rui Rechena, baixista dos Amor Electro, vai realizar-se esta sexta-feira, 8 de agosto, às 10H30, na Igreja de Mira-Sintra, na União das Freguesias de Agualva e Mira Sintra, no concelho de Sintra, anunciou a Valentim de Carvalho.

De acordo com um comunicado da empresa, o velório de Rui Rechena, que morreu na quarta-feira, aos 53 anos, irá decorrer hoje, a partir das 18h00 na Igreja de Mira Sintra.

O músico, também conhecido por Rex, estava internado num hospital de Lisboa desde o dia 13 de junho, mas a banda não revelou a doença de que o músico sofria, nem as causas da morte.

Em jeito de homenagem, os Amor Electro garantem que Rechena “transformava o banal em especial, trazia o sol com ele” e espalhava alegria.

“Tocava baixo como ninguém! As centenas de viagens sempre juntos, por escolha nossa, a melhor decisão que tomámos. A nossa amizade. Obrigada por fazeres parte das nossas vidas para sempre. Continua rei… nós também continuaremos… sempre juntos”, referem no comunicado.

Amor Electro | A Máquina

Saber o que fazer,
Com isto a acontecer,
Num caso como o meu.
Ter o meu amor,
Para dar e pra vender,
Mas sei que vou ficar,
Por ter o que eu não tenho,
Eu sei que vou ficar.

É de pedir aos céus,
A mim, a ti e a Deus,
Que eu quero ser feliz,
É de pedir aos céus.

Porque este amor é meu,
E cedo, vou saber
Que triste é viver,
Que sina, ai, que amor,
Já nem vou mais chorar,
Gritar, ligar, voltar,
A máquina parou,
Deixou de tocar.

Sentir e não mentir,
Amar e querer ficar,
Que pena é ver-te assim,
Já sem saberes de ti.

Rasguei o teu perdão,
Quis ser o que já fui,
Eu não vou mais fugir,
A viagem começou,

Porque este amor é meu
E cedo vou saber,
Que triste é viver,
Que sina, ai, que amor.
Já nem vou mais chorar,
Gritar, ligar, voltar,
A máquina parou.
Deixou de tocar

É de pedir aos céus,
A mim, a ti e a Deus,
Que eu quero é ser feliz,
É de pedir aos céus.

Porque este amor é teu,
E eu já só vou amar,
Que bom não acabou,
A máquina acordou.

Compositores: Marisa Liz / tiago dias