Eduardo Cabrita: Uma espécie de ministro

Ao ouvir esta segunda-feira à noite as declarações do presidente da Câmara Municipal de Sintra na reportagem da SIC sobre a falta de condições de trabalho da PSP, fica claro que Basílio Horta defende, os seus munícipes.

Os agentes da Polícia de Segurança Polícia são heróis do serviço público em Sintra. Esquadras num estado deplorável, falta de equipamento e a ausência dos elementares carros de patrulha, fazem parte do quotidiano destas mulheres e destes homens que garantem a segurança de 400 mil pessoas no concelho de Sintra.

Esta realidade parece ter-se normalizado e o ministro da tutela, Eduardo Cabrita, dorme tranquilo todas as noites.

Quando na passada terça-feira, uma jornalista da RTP perguntou ao ministro da Administração Interna o que se passava para a esquadra da PSP de Agualva-Cacém ter estado uma semana sem carros, Eduardo Cabrita revelou que já estava tudo resolvido, “foi uma questão pontual”.

Nem vale a pena nos debruçar sobre o que significa para a segurança pública a PSP de Agualva-Cacém ter ficado uma semana sem um único carro.

Mas o ministro defender que está tudo bem, quando uma esquadra que serve 80 mil pessoas tem apenas um carro de patrulha, revela muito sobre a espécie de ministro que temos na Administração Interna.

Ainda assim é ainda mais chocante a indiferença de Eduardo Cabrita à denúncia da Associação Sindical dos Profissionais da Polícia (ASPP). Este sindicato, revelou que “há dois meses apenas havia duas viaturas para toda a área de Sintra”. Paulo Rodrigues, presidente da ASPP, afirmou mesmo que se não existir um reforço já em 2019, a situação, que é “caótica”, pode tornar-se “desastrosa”.

Mas para Eduardo Cabrita está tudo bem. As condições deploráveis da esquadra da PSP de Agualva-Cacém, somadas à ausência de carros e à falta de agentes para garantir a segurança pública das pessoas, são a nova normalidade que já nem inquietam o Sr. Ministro.

No final das contas, não temos défice, não temos segurança e não temos certamente ministro da Administração Interna.

Resta-nos os autarcas que assumem a responsabilidade de denunciar e lutar contra o estado a que chegámos.

 

Reportagem da SIC: https://expresso.sapo.pt/sociedade/2018-11-12-Sem-carros-nem-policias.-O-estado-degradante-das-esquadras-da-PSP

 

Jorge Tavares, diretor